MC03 - HISTÓRIA CULTURAL DAS FESTAS E RELIGIOSIDADES

Profa. Dra. Edianne dos Santos Nobre - UPE

Prof. Dr. Mário Ribeiro dos Santos - UPE

Introdução

As celebrações e expressões culturais populares no Brasil, com ênfase no Carnaval e nas práticas devocionais cristãs e das religiões de matriz africana,  serão o fio condutor desse minicurso. Considerado um tema de importância significativa na produção historiográfica das duas últimas décadas, o estudo das festas e religiosidades contribui para repensar os métodos de pesquisa e ensino da História, de modo que amplia as possibilidades de construção de novos saberes. Na ocasião, embasados por discussões teórico-metodológicas da História Cultural e por intermédio de uma documentação variada produzida entre o final do século XIX e primeira metade do século XX (manuscritos da administração pública e eclesiástica, legislação policial, periódicos, fotografias, documentários e relatos de memória), voltaremos nossa atenção para as experiências coletivas de diversão e fé dos populares, para os códigos de identificação construídos e os novos espaços de sociabilidades, para as posturas de repressão e punição do Estado e da Igreja, para as táticas de drible dos populares, entre outras práticas impregnadas de múltiplos significados que nos impossibilitam atribuir um único sentido aos estudos das festas e religiosidades. 


Programa do curso

18/04

- Apresentação da turma / ementa do curso

- Aspectos gerais da Historiografia religiosa no Brasil 

- História das festas no Brasil 

19/04

- Experiências de pesquisa: interfaces entre Carnaval, Igreja e Religiões Afro-Brasileiras

- Exibição do documentário Irôco seguido de debate

- Encerramento


Bibliografia

ABREU, M. C. Cultura política, música popular e cultura afro-brasileira: algumasquestões para a pesquisa e ensino de História. In: Bicalho, Maria Fernanda; Gouveia,Maria de Fátima; Soihet, Rachel. (Org.). Culturas Políticas: Ensaios de História Cultural, História Política e Ensino de História. Rio de Janeiro: Mauad/Faperj, 2005, v., p. 409-432.

ABREU, M. C. & MATTOS, Hebe. O mapa do Jongo no século XIX e a presença dopassado: patrimônio Imaterial e a memória da África no antigo sudoeste cafeeiro, In:Tradições e Modernidades. REIS, Daniel Arão ... [et al.]. Rio de Janeiro: Editora daFVG, 2010.

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz. Fragmentos do discurso cultural: por uma análise crítica das categorias e conceitos que embasam o discurso da cultura no Brasil.______. Festas para que te quero: por uma historiografia do festejar. Patrimônio eMemória. UNESP - FCLAs - CEDAP, v.7, n.1, p. 134-150, jun. 2011.

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa de. Festas: Máscaras do Tempo_ entrudo, mascarada e frevo no carnaval do Recife. Recife, Fundação de Cultura da cidade do Recife, 1996.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. O contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec; Brasilia: EDUNB, 1993.

BURKE, Peter. A Cultura Popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro; GONÇALVES, José Reginaldo S.(Orgs.). As festas e os dias: ritos e sociabilidades festivas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2009. CERTEAU, Michel. JULIA, D.; REVEL, J. A beleza do morto. In: CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. Campinas, Papirus, 2003.

CERTEAU, Michel de. La fable mystique. Paris: Gallimard, 1982.

________________. La debilidad de creer. Buenos Aires, Katz, 2006.

CUNHA, M. C. P. Carnavais e outras festas. Campinas: EDUNICAMP, CECULT,2002.

____________. Ecos da Folia: uma história social do carnaval carioca entre 1880 e 1920. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

DOEBE, Michele Barcelos. Do ideário do branqueamento ao reconhecimento danegritude: biopolítica, educação e a questão racial no Brasil. In: VALENTIM, Silvani dos Santos; PINHO, Vilma Aparecida; GOMES, Nilma Lino (org). Relações étnico-raciais, educação e produção de conhecimento: 10 anos do GT 21 da Anped. BeloHorizonte: Nindyala, 2012.

DURKHEIM, Emile. As Formas Elementares da Vida Religiosa. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

DUVIGNAUD, Jean. Festas e civilizações. Fortaleza: Edições Universidade Federal do Ceará; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

FERREIRA, Felipe. Inventando Carnavais: o surgimento do carnaval no século XIX e outras questões carnavalescas. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2005.

FLORES, M. B. R. Oktoberfest: turismo, festa e cultura. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1997.

____________. A Farra do Boi: palavras, sentidos, ficções. 2 ed. Florianópolis: Ed.da UFSC, 1998.

GUILLEN, Isabel Cristina Martins. Tradições & Traduções: a cultura imaterial em Pernambuco. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2008. 

________________________. Rainhas Coroadas: história e ritual nos maracatus-nação do Recife, In:GUILLEN, Isabel & LIMA, Ivaldo Marciano de França. Cultura Afro Descendente no Recife: maracatus, valentes e catinbós. Recife: Bagaço, 2007.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Identidade negra no Recife: Maracatus e Afoxés.Recife: Bagaço, 2009.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no Pedaço. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 2003.

MORAES FILHO, Mello. Festas e Tradições Populares no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1999.

PASSOS, Mauro (org.). A festa na vida. Significado e imagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

PEREIRA DE QUEIROZ, Maria Isaura. A ordem carnavalesca. Tempo Social. SãoPaulo: Revista de Sociologia da USP, v. 6, n. 1-2.

___________________________. O carnaval brasileiro, o vivido e o mito. SãoPaulo, Brasiliense, 1992. 

PRIORE, Mary. L. Festas e Utopias No Brasil Colonial. 1. ed. São Paulo: Brasiliense,1994.

ORTIZ, Renato. A Morte Branca do Feiticeiro Negro - Umbanda e Sociedade Brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1999.

SALLES, Sandro Guimarães; SANDRONI, Carlos. Patrimônio Cultural em discussão: novos desafios teórico-metodológicos. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2013.

SANTOS, Mário Ribeiro dos. Trombones, tambores, repiques e ganzás: a festa dasagremiações carnavalescas nas ruas do Recife (1930-1945). Recife: SESC, 2010.

SILVA, Augusto Neves. Quem gosta de samba, bom pernambucano não é?. Dissertação (Mestrado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2011.

SOIHET, R. A subversão pelo riso. Estudos sobre o Carnaval Carioca. Da Belle Époque ao Tempo de Vargas. Rio de Janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.